Conselho Geral das escolas de Vagos vai reunir para discutir homofobia

Um elemento da direção da escola terá chamado uma das alunas para a "avisar" de que não deve "demonstrar o seu afeto num local tão público", segundo noticiou o Jornal de Notícias.

Do outro, está o diretor da escola que, ao JN, explicou que tudo não passou de um grande mal-entendido: "Não houve qualquer repreensão ou crítica à orientação sexual das alunas".

Dezenas de alunos da Escola Secundária de Vagos manifestaram-se, nesta terça-feira, contra o que consideraram ser um ato de homofobia de uma funcionária contra um casal de lésbicas.

Por uma Escola livre de Homofobia e qualquer tipo de discriminação subscrevam este manifesto, partilhem-no e manifestem-se no dia 5 de junho!

De acordo com os alunos, uma funcionária repreendeu um casal de duas jovens que namoravam na escola.

"A atuação da direção da escola visou especificamente a orientação sexual das alunas". Sentimo-nos representados pela coragem que tiveram, mesmo quando direção da escola reagiu chamando a polícia e ameaçando @s alun@s desta escola com processos disciplinares, oprimindo assim o direito à liberdade de expressão e ao protesto pacífico.


Popular

CONNECT