10 de Junho: Marcelo diz que esteve previsto encontro, mas Temer cancelou

No Brasil, questionado sobre o cancelamento do encontro, Marcelo explicou que "surgiu um problema no programa do senhor Presidente da República Federativa e, pedindo muita desculpa, disse que não estava com disponibilidade de horário para poder aparecer".

"Sentimos, na forma acolhedora como o senhor prefeito [João Dória] nos recebeu, ele próprio disse 'O Brasil está convosco', como amanhã [domingo] sentiremos com o senhor governador do Estado de São Paulo, como sentiremos no Rio também com autoridades brasileiras".

A desistência "não foi recente", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, une Portugal e o Brasil "um património comum, feito geração após geração, pelo trabalho e pelo esforço".

"Só dança quem está na roda, e quem está na roda, quer estar na roda", acrescentou. "Há Presidentes que, em virtude de conjunturas que só eles conhecem e de problemas que só eles conhecem, têm mais disponibilidade que outros".

"Concordo, como disse o Presidente da República, que temos de ser independentes, do ponto de vista da soberania, mas que também devemos ser independentes da pobreza, do excesso de dívida e independentes do excesso de submissão", afirmou Augusto Santos Silva aos jornalistas no final da cerimónia militar comemorativa do Dia de Portugal, que se realizou no Porto. Ontem, Augusto Santos Silva, ministro dos negócios estrangeiros, dizia que a reunião aconteceria hoje durante a passagem de Marcelo Rebelo de Sousa e de António Costa pelo Brasil, onde assinalam o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.

"É um dia que tem 28 horas, começou esta manhã no Porto e continua aqui em São Paulo", disse, referindo-se depois aos portugueses na Venezuela: "Quanto mais é o sofrimento por parte de comunidades portuguesas, mais estão no nosso coração".

Sem qualquer referência à atual conjuntura política brasileira, o Presidente da República concluiu. O Chefe de Estado fez, no entanto, uma ressalva: "As autoridades desses Estados estão no seu território e um Presidente da República ou um primeiro-ministro têm de tomar isso em linha de conta, inevitavelmente, tratando-se de países com os quais temos laços, não só de amizade, como fraternais, e no caso do Brasil muito fraternais". "É por causa do território espiritual que António Guterres é secretário-geral das Nações Unidas", acrescentou.

Já o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, considerou que o discurso de hoje de Marcelo Rebelo de Sousa correspondeu à importância que o país dá a este dia, tanto os portugueses como as pessoas que representam o regime democrático.

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estão em São Paulo e Rio de Janeiro este fim - de - semana para comemorar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.

"Portugal contou consigo, pode contar com Portugal", declarou o chefe de Estado, dirigindo-se a João Dória, na abertura da parte institucional das comemorações do 10 de Junho na maior cidade brasileira.


Popular

CONNECT