Deputado tenta entrar com biscoito e queijo em presídio da Papuda

O deputado Celso Jacob (PMDB-RJ) tentou entrar na cadeia com dois pacotes de biscoito e um de queijo provolone dentro da cueca ao se apresentar, no domingo (19), ao Centro de Detenção Provisória da Papuda, em Brasília, onde cumpre pena em regime semiaberto.

Jacob foi condenado a sete anos e dois meses em regime semiaberto por falsificação de documento público e dispensa de licitação. O flagrante aconteceu quando o parlamentar retornava para o presídio após trabalho no Congreso.

Segundo o relatório da direção do presídio, Celso Jacob havia saído no último sábado e, quando voltou no dia seguinte, os agentes penitenciários encontraram as guloseimas durante a revista. A Vara de Execuções Penais (VEP), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), foi notificada do fato e um inquérito disciplinar para apurar o caso foi aberto. "A punição para esses casos pode chegar a 30 dias de isolamento, além da perda de benefícios, conforme decisão da VEP", informa a nota da Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe), ligada à Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

De acordo com a Sesipe, é proibida a entrada de internos com alimento no presídio sem autorização. A entrada de alimentos autorizados só é possível por meio da família, durante o período de visita.Procurada, a assessoria do parlamentar não retornou o contato. Na ocasião, o então prefeito Jacob contratou diretamente a Construtora Incorporadora Mil de Três Rios Ltda., que anteriormente havia sido desclassificada na concorrência pública.

Para que a contratação fosse realizada, conforme escreveu o ministro Edson Fachin, relator da ação penal na Primeira Turma do STF, Celso Jacob editou um decreto de emergência no município. A irregularidade rendeu a Celso a punição de sete dias no isolamento pelo diretor-adjunto do CDP, Vanderley Melo Alcântara.


Popular

CONNECT