IBGE diz que 8,2% da população se declara de cor preta

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima que havia 69,2 milhões de domicílios no Brasil em 2016.

Os domicílios próprios já pagos representavam 68,2% (47,2 milhões); 5,9% eram próprios, mas ainda estavam sendo pagos (4,1 milhões). Desse total, 86% eram casas (59,6 milhões) e 13,7%, apartamentos (9,5 milhões).

Os domicílios alugados respondiam por 17,5% do total (12,1 milhões) em 2016.

A maioria dos domicílios existentes no país são casas próprias já pagas.

Dos 69,2 milhões de domicílios em 2016, 97,2% tinham água canalizada e 65,9% estavam ligados à rede de esgotamento sanitário. Em 2012, eram 7,4%. Ainda conforme os dados da pesquisa, realizada em cerca de 166 mil domicílios brasileiros, as populações preta e parda cresceram 14,9% e 6,6%, respectivamente, em quatro anos.

A Pnad Contínua estimou ainda que 88,4% dos domicílios no país tinham as paredes externas de alvenaria ou taipa, com revestimento (61,2 milhões de residências). Os domicílios de paredes externas de madeira apropriada para construção (aparelhada) eram 4,8% do total. A geladeira foi outro item encontrado na quase a totalidade dos domicílios, com um percentual de 98,1% no Brasil.

Em 92,3% dos locais, pelo menos um morador tinha telefone móvel celular, enquanto o telefone fixo convencional era encontrado em apenas 34,5%.

Nas regiões Norte (75,3%) e Nordeste (74,2%) foram registrados os maiores percentuais de domicílios próprios de algum morador que já tinham sido pagos. No Sul, 83,3% dos domicílios tinham o eletrodoméstico; no Sudeste, 76,8%; e no Centro-Oeste, 67,1%. Segundo o IBGE, 60,3% dos acessos foram por telefone celular, 40,1% por microcomputador, 12,1% por tablet, 7,7 pela televisão.

A máquina de lavar roupa já chegou a 43,636 milhões de residências no País, mas a posse do eletrodoméstico ainda é desigual.


Popular

CONNECT