Itapevi e Jandira estão em alerta para epidemia de dengue

A classificação para os índices é de risco para índice superior a 4%, de alerta para índices aferidos entre 1% e 3,9% e satisfatório para valores inferiores a 1%. Os dados foram levantados pelo Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, ontem. No Piauí, dos 224 municípios, 188 foram avaliados pelo LIRAa 2017. Entre as 17 capitais que o Ministério da Saúde recebeu informações sobre o LIRAa, estão com índices satisfatórios os municípios de Macapá (AP), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Belo Horizonte (MG), João Pessoa (PB), Teresina (PI), Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ) e Palmas (TO). Além da capital rondoniense, 29 municípios de Rondônia estão em estado de alerta. Em seguida aparecem as regiões Sudeste (23.169 casos; 12,6%), Norte (16.125 casos; 8,7%), Centro-Oeste (3.467 casos; 1,9%) e Sul (334 casos; 0,2%).

Wanderlândia foi o único município tocantinense que atingiu resultado de risco para surto (100).

De agosto de 2017 até 21 de novembro, o Paraná registrou 191 casos de dengue, 186 deles autóctones e cinco importados. Destes, 196 encontram-se em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya. Isso significa que mais de 9% das casas visitadas nestas cidades continham larvas do mosquito. No total, participaram do levantamento 3.946 cidades, entre o início de outubro e a primeira quinzena de novembro. Os dados foram apresentados pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, ontem.

Paraná tem 20 cidades em risco para epidemia de dengue
Manaus em estado de alerta para surto de dengue, zika e ...

O mapeamento dos casos de infecções causadas pelo mosquito Aedes aegypti deve ser informado ao governo federal por todos os municípios. O objetivo da campanha consiste em mobilizar e conscientizar a população de que o combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti começa dentro da própria casa, é responsabilidade de cada um e pode gerar mudança positiva na vizinhança.

A campanha será veiculada na televisão, rádio, internet, redes sociais, OOH (Out of Home) e DOOH (Digital Out of Home), em território nacional e, com mais frequência, em regiões com maior incidência de Zika, Dengue ou Chikungunya, com peças com abordagem geral sobre o tema e outras segmentadas para cada doença. Também está previsto o dia D de mobilização contra o mosquito, que ocorrerá no dia 15 de dezembro.


Popular

CONNECT