Jordânia avisa EUA sobre reconhecimento de Jerusalém

A comunidade internacional não reconhece Jerusalém como capital de Israel e afirma que o status da cidade deve ser determinado pela via diplomática. "Tal decisão gerará fúria nos mundos árabe e muçulmano, vai alimentar tensões e por em risco os esforços de paz", disse Safadi sobre sua conversa com Rex Tillerson. Ontem, no Fórum Saban, uma conferência anual sobre política no Oriente Médio em Washington, Kushner informou que o presidente está "analisando vários fatos" antes do anúncio esperado para esta semana.

Abbas também conversou com o líder da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, que aumentou o coro do líder palestino.

Na noite deste sábado (2), o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse a Abbas que é preciso estabelecer um Estado palestino independente com Jerusalém Oriental como capital. "Nós afirmamos com firmeza que essa é uma decisão sem justificativa, que não servirá à paz ou à estabilidade na região". Mas há duas décadas, uma cláusula derrogatória assinada a cada seis meses pelos presidentes americanos permite ao Executivo bloquear a sua aplicação.

A área de Jerusalém oriental é considerada pela comunidade internacional como uma "ocupação" do governo de Tel Aviv desde a anexação do território, em 1967.

Segundo a "Petra", o chefe da diplomacia jordaniana tem se dirigido à Liga Árabe e à Organização para a Cooperação Islâmica para pedir que os ministros de Exteriores dos países de ambas organizações mantenham contatos para discutir uma possível resposta caso Washington finalmente reconheça Jerusalém como a capital israelense. Questionado sobre os rumores de que Donald Trump está prestes a cumprir a sua promessa de campanha quanto à disputada cidade - dividida pelos Acordos de Oslo e reivindicada pelos israelitas e pelos palestinianos -, Jared Kushner, genro do Presidente que foi nomeado seu conselheiro para o mais longo conflito do Médio Oriente, disse que ainda nenhuma decisão foi tomada.

No início do mandato, muito foi falado sobre o tema, mas Trump optou por deixar a sede diplomática em seu atual lugar e decidir sobre isso mais tarde.

Se Trump anunciar o traslado da embaixada americana a Jerusalém, poderia causar fúria no mundo árabe e complicar as tentativas de Kushner nas negociações de paz que realiza entre israelenses e palestinos.

Se isso for concretizado, o grupo palestino Hamas já ameaçou fazer uma "nova intifada" contra os israelenses.


Popular

CONNECT