Pinotti pede demissão como homem-forte do futebol do São Paulo

Vinicius Pinotti, diretor-executivo de futebol do São Paulo, pediu demissão nesta quarta-feira (6). Antes, Raí ocupava um cargo no Conselho de Administração do São Paulo.

"A carta branca foi dada e obviamente, agora chegando, devo me esforçar para ficar por dentro de toda a estrutura atual".

Carta branca Carta branca foi dada. O que eu peguei nesse meu período de administração é uma avaliação dos erros e planejamento. Depois colocando em prática minhas ideias - disse Raí, que está com 52 anos. A base do meu trabalho vem do meu conhecimento de futebol. E esse estilo é muito próximo do que o Dorival Junior pensa. As primeiras atitudes vão ser nesse sentido, começo de temporada, já construir e criar com a comissão técnica essa questão da identidade de jogo. "Vou conversar com ele para que o São Paulo tenha o estilo que tema ver com sua história e com sua torcida, que é um futebol com segurança, alegre e eficiente". Quando cheguei, Cilinho tinha um estilo próprio, depois Telê Santana.

- Se não conseguiu bons resultados nos últimos anos, claro que há aprendizados.

"Pego uma fase de transição rumo ao profissionalismo". Ao mesmo tempo, minimizou o fato apontando que tudo é arriscado dentro do futebol, colocando a busca por harmonia como uma solução dentro do seu perfil. Acredito que o São Paulo está no caminho certo.


Raí, na verdade, estava trabalhando no clube. Garantiu estar pronto para o trabalho.

- Então, conto com vocês, sei que vocês também estão otimistas e tenham confiança de que vamos ter um futuro vitorioso com o nosso Tricolor. Mas todas as iniciativas que tomei aqui teve riscos, sempre são novos desafios. Tudo isso foi um desafio novo que eu decidi encarar.

O anúncio oficial será feito em breve por parte do clube. Os jogadores que estão aqui tendem a render muito mais se construirmos um ambiente favorável. Estou acreditando muito nesse momento novo do São Paulo.

Manter a base durante toda a temporada A situação do São Paulo não é diferente dos outros clubes do País. Vou colocar minha experiência, meu conhecimento e meu carisma a serviço do São Paulo para construirmos o melhor ambiente possível. Em 2002, durante três meses, ele foi coordenador de futebol da gestão de Marcelo Portugal Gouvêa. Acredito muito no trabalho dele e estou muito confiante de que ele possa fazer um bom trabalho. Sobre as negociações estou tomando pé ainda e não dá para falar - falou, animado.

- O Dorival é o treinador do São Paulo, não é só o meu treinador. O elenco, na minha opinião, não precisa de grandes mudanças, e vou além, vai crescer muito em 2018.


Popular

CONNECT