Votação do relatório da CPMI da JBS fica para amanhã

Na visão do relator, os dois cometeram os crimes de abuso de autoridade, prevaricação e incitação "à subversão da ordem política ou social", previsto na Lei de Segurança Nacional.

No relatório, de 326 páginas, apresentado nesta terça-feira (12), Marun pede ainda o indiciamento dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS e sócios do grupo J&F, por corrupção ativa, uso de informação privilegiada e manipulação de mercado; do ex-executivo da JBS, Ricardo Saud, por corrupção ativa; e do ex-procurador da República Marcelo Miller, por corrupção passiva e improbidade administrativa.


No final de novembro, Rodrigo Janot afirmou que a CPI mista "não é a CPI da JBS, é a CPI do Ministério Público", ao afirmar que a vontade dos parlamentares era investigar os investigadores. Para ele, Janot trabalhou pela saída de Temer para que o procurador-geral da República pudesse atuar em benefício próprio. Segundo Marun, apenas o que é sustentado por provas lícitas pode ser considerado no acordo. Hoje, o parlamentar é um dos principais defensores de Michel Temer na Câmara dos Deputados e irá assumir a Secretaria de Governo nesta quinta-feira (14), no lugar do tucano Antonio Imbassahy, que pediu exoneração na sexta-feira passada (8).

O deputado Delegado Francischini (SD-PR), um dos sub-relatores da CPMI da JBS, pediu vista do relatório final da comissão, apresentado pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS), e questionou o pedido de indiciamento do ex-procurador geral da República Rodrigo Janot. Nela, pedirão a exclusão da sugestão de indiciamento de Rodrigo Janot e Eduardo Pellela e encaminharão os documentos coletados para a PF e a PGR prosseguirem com as investigações. O deputado notabilizou-se recentemente por dançar em comemoração à salvação de Temer pela Câmara pela segunda vez. Ele foi o grande coordenador da Lava Jato. Se o relatório não for aprovado até quinta-feira, terá que ser nomeado outro relator. Se houver pedido de vista, será concedido prazo de 24 horas para votação e nova reunião deve ser marcada para amanhã.


Popular

CONNECT