Cineasta ganhador do Oscar é acusado de assédio sexual por diversas mulheres

O escândalo sexual que envolve o produtor de Hollywood Harvey Weinstein deu início à campanha "Me too", que incentivou as vítimas de assédio a denunciar os seus casos e inspirou mais de 300 estrelas de Hollywood a lançar um fundo de defesa legal destinado a ajudar mulheres menos privilegiadas do que elas a protegerem-se de possíveis abusos sexuais no local de trabalho.

Quatro mulheres acusaram o guionista e cineasta canadiano Paul Haggis de crimes de agressão sexual, nomeadamente assédio e violação, segundo o jornal diário Los Angeles Times. O cineasta processa Haleigh por extorção, afirmando que mulher e sua advogada haviam pedido US$ 9 milhões para evitar ações judiciais. Em dezembro, foi arquivado um processo civil contra ele, no qual era acusado de estuprar, em 2013, uma mulher chamada Haleigh Breest, em um apartamento em Nova York, depois da estreia de um filme. "Ele me disse:" Você realmente quer continuar trabalhando? Após isso, teria forçado a vítima a fazer sexo oral nele e depois a estuprou. Depois, a seguiu até o táxi, a acompanhou até o apartamento dela e chegando lá tentou roubar outro beijo.


Em um artigo publicado pela Associated Press, Haggis nega as 4 acusações anônimas feitas contra ele, duas de mulheres que o acusam de estupro.

O advogado de Haggis diz que seu cliente "não estuprou ninguém".


Popular

CONNECT