Faixa gigante estendida em frente ao TRF-4: "interrompa o golpe"

Um dia após o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, marcado para o dia 24 de janeiro, o PT relançará a candidatura dele à Presidência da República em 2018. "[A reunião da Executiva] vai confirmar que Lula é nosso candidato, independente da decisão do TRF-4", afirmou Padilha, em entrevista à rádio da Rede Brasil Atual.

No primeiro, a defesa de Lula, caso a condenação de 9 anos e seis meses de prisão determinada pelo juiz Sérgio Moro seja confirmada pelo TRF-4, poderá pedir esclarecimentos à decisão dos três desembargadores que compõem a 8ª Turma do TRF-4, responsável pelas ações da Lava Jato na corte.

O julgamento do recurso da defesa de Lula contra a condenação por corrupção e lavagem de dinheiro neste caso, que envolve o apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, está marcado para o próximo dia 24.

Só uma coisa: se Lula for eleito, seus processos criminais serão engavetados e o Estado Democrático de Direito vai para a cucuia.

Ontem, manifestantes fizeram um ato em favor do ex-presidente na frente do tribunal onde ele será julgado em segunda instância, em Porto Alegre, e estenderam a faixa "TRF-4: interrompa o golpe". Movimentos sociais prometem realizar atos em defesa do ex-presidente e há também articulação de manifestações contra Lula.

Nelson Marchezan Júnior, o Prefeito de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, alegou no seu pedido que a presença das Forças Armadas é essencial para garantir a preservação de vidas e do património.


Popular

CONNECT