Equador concede nacionalidade ao fundador do portal WikiLeaks

O Reino Unido rejeitou um pedido do Equador para conceder status diplomático ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, informou um porta-voz do Escritório de Relações Exteriores do governo britânico.Assange mora há mais de cinco anos na embaixada equatoriana em Londres, sem poder sair do edifício.

A chefe da diplomacia equatoriana revela que o fundador do WikiLeaks recebeu um passaporte do Equador no dia 12 de Dezembro.

Essa acusação foi arquivada em Maio do ano passado, mas o australiano continua a temer uma extradição para os EUA caso abandone a embaixada.

Na quarta-feira (10), a chanceler do Equador, Maria Fernanda Espinosa, afirmou em coletiva de imprensa que a situação de Assange é "insustentável" do ponto de vista humano e que está planejando uma "mediação" para encontrar uma solução. A ideia, agora, é buscar a ajuda de um terceiro país, que possa agir tanto como mediador nas questões relacionadas à prisão de Assange quanto em uma possível passagem segura para uma nova nação, onde ele poderia permanecer exilado. Nesta semana, o Equador solicitou ao Reino Unido a concessão de status diplomático para o ativista, o que foi negado pelas autoridades do país europeu. Espinosa disse apenas que outros casos de asilo político dos anos recentes foram resolvidos desta maneira e que espera ver o mesmo acontecendo com Assange. O temor do jornalista, entretanto, é que ele seja detido e extraditado para os Estados Unidos pela publicação de documentos secretos militares e diplomáticos, em 2010. O tema já foi discutido entre Estados Unidos e Grã-Bretanha.


Popular

CONNECT