IPP sobe 0,41% em fevereiro ante 0,47% em janeiro, diz IBGE

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 12,6% no trimestre que se encerrou em fevereiro, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta quinta-feira, 29, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O país tinha 13,121 milhões de pessoas desempregadas entre dezembro e fevereiro, ante 12,689 milhões de pessoas nos três meses até janeiro e 13,547 milhões no mesmo período do ano anterior. Já os trabalhadores sem carteira assinada diminuíram em 407mil, 3,6% de queda.

Há menos 426 mil desempregados em relação a um ano antes, o equivalente a um recuo de 3,1%.

Por outro lado, houve contratações na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com 12 mil vagas a mais; comércio, mais 23 mil trabalhadores; outros serviços, com a geração de 51 mil novos postos; alojamento e alimentação, mais dois mil empregados; transporte, armazenagem e correio, com mil ocupados a mais; e informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, mais 30 mil pessoas.

População fora da força de trabalho (aqueles que não têm emprego e nem estão em busca de um) cresceu ao maior nível da série histórica do IBGE, atingindo 64,9 milhões de pessoas ou um aumento de 0,8%.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi estimado em 53,9% no trimestre de dezembro de 2017 a fevereiro de 2018, apresentando redução de 0,6 ponto percentual frente ao trimestre de setembro a novembro de 2017. O número de trabalhadores com carteira assinada e por conta própria ficaram estáveis.

Entre o trimestre encerrado em Novembro do ano passado e o que terminou em Fevereiro de 2018, o Brasil perdeu cerca de 858 mil postos de trabalho (407 mil empregos no sector privado e de 358 mil no sector público). O resultado representa alta de 2,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.


Popular

CONNECT