Bilhetes para espetáculos vão ser vendidos com IVA abaixo do estipulado

A APEFE, e a iniciativa agendada para sexta-feira, une representantes da EIN, da UAU, da Ritmos (Paredes de Coura), da Música no Coração (Super Bock Super Rock, Meo Sudoeste), da Ritmos & Blues, da PEV Entertainement (Marés Vivas), entre outras produtoras que vão retirar a parte do preço dos bilhetes correspondente à diferença de sete pontos percentuais naquele imposto, entre as 00h às 24h de dia 13, para mostrar qual seria o seu valor se o IVA voltasse aos valores de há quatro anos. Esta é uma forma de protesto contra a taxa de 13% de IVA atualmente praticada em Portugal, a quinta mais elevada da Europa.

Esta ação não contará com qualquer apoio do Ministério da Cultura ou da Assembleia da República.

Além disso, as peças de teatro "O Deus da Carnificina", em cena no Teatro da Trindade, e o bailado "Lago dos Cisnes", no Teatro Tivoli, ambos em Lisboa, estão também na extensa lista de espetáculos abrangidos.


"O Rock in Rio apoia todas as medidas da APEFE que visam fomentar a produção cultural e ampliar o acesso à cultura", acrescentou. O motivo é uma iniciativa especial da Associação Portuguesa de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE), que aproveitou a polémica levantada na passada semana em relação aos apoios às artes para lançar uma campanha pela reposição do IVA a 6% na compra de ingressos para espetáculos ao vivo.

"Quando a troika chegou a Portugal foi pedido a todos os portugueses um sacrifício". Na cultura, um bem essencial segundo a Constituição, o IVA deveria ser uma taxa reduzida como os restantes bens essenciais. Os últimos números conhecidos do sector pelo INE (Instituo Nacional de Estatística), em 2016, revelam que foram vendidos em Portugal 4,9 milhões de bilhetes para espetáculos ao vivo, o que reflete que um português só compra bilhetes de dois em dois anos.

A realização de espetáculos ao vivo gerou um total de 85 milhões de euros de receita, o que representou um aumento de 42,6% face a 2015, ano em que se registaram 59,6 milhões de euros.


Popular

CONNECT