Temer rebate acusações de uso de propina para compra de imóveis

Ele afirmou que pedirá ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que investigue os vazamentos para a imprensa de dados de investigações em andamento na instituição.

Em pronunciamento, na manhã de hoje, o presidente Michel Temer se queixou do vazamento de informações a respeito do inquérito sobre o Decreto dos Portos, em que ele é um dos investigados.

A suspeita de que Michel Temer tenha lavado dinheiro com reformas em imóveis de familiares levou a Polícia Federal a agendar o depoimento da filha de Temer, Maristela Temer, para a próxima semana.

"Qualquer contador, qualquer pessoa de bem, qualquer professor de matemática, consegue concluir que ao longo do tempo eu obtive recursos suficientes para comprar os imóveis que comprei e reformar os imóveis que reformei".

Até agora, a investigação aponta que o presidente recebeu, por meio do coronel João Baptista de Lima Fillho, ao menos R$ 2 milhões de propina em 2014. Ele lembrou que há quase um ano, nesse contexto de investigação, pediu que anotassem em letras garrafais que ele não renunciaria.


Temer é investigado nesse inquérito sob suspeita de ter recebido propina, por meio do então assessor especial, Rodrigo Rocha Loures, para editar um decreto que beneficiou a empresa Rodrimar em alterações legais para a área portuária. Como é que a imprensa consegue essas informações? A denúncia foi classificada pelo presidente como "revoltante", "um disparate".

A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) divulgou nota no início da noite de ontem (27) em que afirma que não protege ou persegue qualquer autoridade pública.

Foi também uma reação à informação revelada pela TV Globo na quinta-feira (26) de que a filha dele, Maristela Temer, foi intimada a depor pela Polícia Federal. Segundo Temer, chefes de nações estrangeiras têm revelado a ele a admiração pelos "extraordinários" feitos em menos de dois anos de governo.

Brasília - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou ontem que o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Democratas (DEM) devolvam aos cofres públicos, respectivamente, R$ 1,5. "E alguns tentam desmoralizar a figura institucional da Presidência da República para tentar atrapalhar o natural progresso do país". Ele disse à PF que um dos imóveis vendidos por ele a Temer foi doado ao filho do presidente três ou quatro anos atrás.

Brasília - Em manifestação enviada na última terça-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a.


Popular

CONNECT