Num gesto 'surpresa', Gilmar Mendes revela que sofre enorme 'pressão' no Supremo

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, nesta sexta-feira (11/5).

Paulo Vieira de Souza está no presídio de Tremembé, no interior de São Paulo, desde o dia 6 de abril, quando foi preso em casa.

As suspeitas que recaíram sobre Paulo Preto se referem a desvios bilionários em relação às obras supracitadas, cujas investigações da Polícia Federal levam a um grande esquema de corrupção e distribuição de propinas.

Em março, a Lava Jato denunciou o ex-diretor por desvio de R$ 7,7 milhões, entre 2009 e 2011.

Localizado na região metropolitana de São Paulo, o Rodoanel é uma das maiores obras urbanas já realizadas na região e é constatantemente utilizado pelos governos do PSDB como um trunfo da gestão tucana sobre o estado de São Paulo.


A denúncia foi aceita e os réus respondem pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e inserção de dados falsos em sistema público de informação.

O mesmo habeas corpus de Preto já havia sido negado pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no início deste mês. "As três ameaças teriam ocorrido nos anos de 2015 e 2016 e a prisão preventiva foi decretada em abril de 2018".

Em sua decisão para soltar o suposto operador, Gilmar Mendes destacou que a prisão de Paulo Preto foi pedida pelo MPF "para garantia da instrução criminal, em razão de supostas ameaças à integridade física da também acusada Mércia Ferreira Gomes".

Autoridades suíças informaram à Lava-Jato que outra parte do dinheiro de Paulo Preto esteve no exterior: pelo menos 35 milhões de francos (cerca de R$ 113 milhões) passaram por quatro contas associadas à offshore panamenha Grupo Nantes S/A, tendo Paulo Preto como beneficiário Paulo Preto também foi mencionado na colaboração de executivos da Odebrecht.

Paulo Vieira de Souza é investigado ao lado do senador José Serra (PSDB-SP) em inquérito em trâmite no STF. Ele é acusado de operar propina para políticos do PSDB.


Popular

CONNECT